sábado, 13 de outubro de 2007

Telefonia florestal

A Vila Restauração fica longe. Da sede do Município de Marechal Thaumaturgo até lá, rio Tejo acima, fizemos em um dia e meio. Mas o rio estava com mais água do que agora, quando, de volta, gastamos dois dias e meio para percorrer o mesmo percurso. Chegando lá, como se comunicar com o mundo? Ou pelo menos com a sede municipal...

Até bem pouco tempo não tinha jeito. Chegou lá, se conforme (e se alegre) pois notícias só as que vem de fora via rádio. É verdade que televisão e antena parabólica já existem no local há alguns anos, mas precisam de energia elétrica e o gerador comunitário está quase sempre quebrado ou “seco” (sem combustível). Rádios funcionam a pilha, mais garantido. Ano passado, se não estou enganada, chegou um orelhão. Mas logo quebrou. Liga pra quem pra vir consertar? Boa pergunta. Mas junto com o orelhão, que maravilha, veio o mais fantástico sistema de telefonia que conheci.

Vocês podem observar na foto. É uma antena da Embratel. Lá, não sei como, descobriu-se que é possível plugar um aparelho de telefone comum e ligar para onde for preciso, sem custo para o usuário. Muito justo. Alguns moradores têm aparelhos, que emprestam de bom grado, e aí você vai lá, por vezes enfrenta uma fila, e aí faz os seus telefonemas. Bom, não tem privacidade, mas quem é mais descontraído não se faz de rogado e namora mesmo no telefone. É engraçado.

Uma pena: quando saí de lá o sistema não estava funcionando. Parece que alguém tinha cortado um fio, ou feito algo que tirou tudo do ar... Chama quem pra consertar?

Um comentário:

vinicius disse...

incrível. dá vontade de ir lá conferir.