quarta-feira, 25 de junho de 2008

Viva São João!


Ontem foi dia de São João Batista, primo de Jesus, que anunciou sua vinda e o batizou, e foi por ele batizado, no lendário rio Jordão. São João, dizem as escrituras, pregava no deserto, no deserto natural e no interior, aquele que está dentro de todos nós. Pregava o arrependimento, que eu acredito que seja uma regeneração, uma revisão de conceitos, idéias, pensamentos e valores. Pregava a transformação que todos nós devemos fazer para receber o Cristo em nós. Sem esta transformação, a gente fica numa espécie de meio do caminho. Bom, São João era mais enfático, mas esta é minha leiga leitura. Na doutrina que o Mestre Irineu nos legou, a data do santo é das mais importantes.

E assim, tivemos festa, no Alto Santo e pelo Brasil e mundo afora. No Alto Santo, onde tive o prazer de estar, a fogueira queimou a noite toda, e lá, bailando e cantando, a víamos. Que imagem poderosa. Pedindo a São João que neste fogo sagrado fossem incineradas as dificuldades que atravancam a transformação, nos roubam a firmeza e fazem vacilar. O trabalho é forte. Um irmão querido sempre me dizia que a noite de São João era de guerra - guerra interior. Os demônios, pra usar este termo, mais temíveis são aqueles de dentro, não os de fora. E assim, nesta batalha espiritual, e também material, seguimos cantando o hinário do nosso Mestre, fazendo da fraqueza a força e do sofrimento uma festa. Alquimia espiritual que se processa no nosso interior.

Pra terminar, quero registrar algo inusitado: no Alto Santo, na casa fundada pelo Mestre Irineu, a mudança de horário, que adiantou os relógios acreanos em uma hora à zero hora do dia 24, não vigorará. Permanece valendo o horário antigo, aquele a partir do qual o Mestre Irineu acertava seu relógio e marcava o tempo das sessões. Mantendo a tradição (uma das missões da casa), será por ele que nossa agenda de trabalhos espirituais continuará a ser regida.

E VIVA SÃO JOÃO!

2 comentários:

Cris Moreno disse...

Viva mais um São João, Mariana.

Beijos.

Dona Sra. Urtigão disse...

VIVA! E VIVA O POVO DA FLORESTA!