segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

Santo Guerreiro


Sebastião, depois santificado, nasceu no século III da era cristã. Foi militar no tempo dos Império Romano, mas, conta-se, sempre manteve-se fiel ao cristianismo. Foi por isso condenado a morrer flechado. Sobreviveu, seu corpo foi resgatado quase sem vida e curado. Mas ele, como mártir que é, acabou novamente condenado e desta vez foi açoitado até morrer. Mas, interessante, a imagem que ficou foi a da morte pelas flechas. Por que será? Tenho um amigo no Rio, o Perfeito, que, soube, num 20 de janeiro - dia do Santo - declarou no microfone do Circo Voador que São Sebastião era o padroeiro dos acumpunturistas!

Para além da criativa e bem-humorada especulação do Perfeito, outros significados nas flechas certamente podem ser encontrados. Neste mundo, flechas são o que não falta, nem tanto as materiais, mas a flecha da língua, da palavra, das intencionalidades. É preciso estar atento. Ou até de corpo fechado, dizem alguns. Mas tem também a flecha do Cupido, amorosa.

De todo jeito, São Sebastião é conhecido como guerreiro, como combatente, ensinou-me minha amiga Débora, das guerras, das pestes e pragas que nos assolam. Ele mexe com coisas sérias, e que estão hoje aí nas manchetes dos jornais, nos fronts e trincheiras, e na atmosfera astral do nosso planeta. Só pensar em Gaza...

Salve o guerreiro São Sebastião! Um bom aliado para esses tempos.

Festejemos portanto o seu dia, lembrando ainda do sincretismo com Oxóssi, orixás das matas, energia da floresta. Dia de terreiro virar aldeia, dos caboclos e caboclas virem dançar, dia de saravá!

3 comentários:

Aleta Dreves disse...

vai ter festa amanhã na madrinha chica... estou terminando de cumprir a romaria de são sebastião... uma romaria muito forte... mas muito gratificante... aparece lá na barquinha amanhã (dia 20) beijos

Anônimo disse...

Muito legal essa maneira de apresentar o Santo. Gostei.
Parabéns.Gosto muito dele.

morenocris disse...

saudades. estou naárea.

beijinhos.