domingo, 19 de junho de 2011

Visitas

Esta apareceu no mês de maio passado. Neste dia estávamos Enaiê, Thiago, Wilian e eu, almoçando e trabalhando nos projetos de iniciação científica dos três. Os cachorros deram o alerta: a preguiça, que sabia estar nas imediações já há algumas semanas, estava numa pequena árvore perto do canil. Depressa prendi os cachorros, que queriam mesmo era pegar a bichinha e dá-lhe uma pisa! Que fazer, que fazer? Por mim, ela ficaria hospedada aqui em casa mesmo, nas árvores que têm aqui, comendo folhas novas, como a vi fazendo alguns dias antes.

Mas não dava, ficando aqui era risco de vida na certa. Vamos ligar para os bombeiros. Eles já tinham estado aqui uns dias antes, quando um enxame de abelhas (daquelas com ferrão) ameaçou se instalar aqui em casa. É, tem as visitas não bem-vindas também. Vieram os bombeiros, pois, super-rápidos, corteses e eficientes. Diagnóstico: aguarde pra ver se elas vão mesmo ficar ou se estão só de passagem. Estavam de passagem. Mas agora tínhamos outra emergência: preguiça querendo casa versus cachorros donos da casa. Chama os bombeiros de novo. Enquanto eles não chegavam, curtimos e tiramos fotos da preguiça, e até um filminho foi feito, com o Thiago, todo feliz, fazendo carinho nela!

De novo, rápidos, gentis e eficientes vieram os homens de vermelho, naquele mega-batcarro vermelho, aquele de bombeiro mesmo. Deram um jeito de pegar a preguiça, sempre sob nossa vigilância: "cuidado, não vai machucar ela!", "o braço dela, cuidado, tá puxando muito!", "tadinha, leva com carinho" etc etc. Aproveitando a deixa, apresentei queixa contra umas cabas (aquelas vespas amarelinhas) que fizeram sua casa numa das portas da minha casa, e toda vez que eu a abria [a porta] elas vinham para fora da casinha delas e ficavam ostensivamente apontando seus ferrões contra mim... Um dos bombeiros foi lá e colocou todas, com casa e tudo, num saquinho, mas teve que ouvir minhas recomendações: "não vai matar elas, solta lá fora!". Acho que ele obedeceu, pois alguns dias depois elas voltaram para o mesmo lugar... A preguiça não sei muito bem seu destino: ou as matas do Parque Zoobotânico ou o Parque Chico Mendes, assim disseram os bombeiros.

Agora, fala sério, e esta visita que apareceu inesperadamente, mas logo desapareceu e não deu mais notícias:

A verdade é que gosto muito dos animais, de verdade. Tenho uma amiga, a dona Adelaide, que tem um cachorro (na verdade do filho dela) chamado Zulu. É um vira-latinha todo magrinho e atlético, desses que é artista de circo e dá pulos e mais pulos. Pois é, sempre que eu ia na casa de dona Adelaide, o Zulu vinha para o portão e ficava pulando e latindo, todo metido a valente. Aos poucos, com o tempo fui sacando o jeito dele, e passei a deixar minha mão na grade do portão, e toda vez que ele pulava, dava uma lambidinha. Entendi: ele estava "pedindo a benção". E assim é até hoje. Gente, tudo é uma questão de comunicação!

Outro cachorro que foi um ritual de aproximação foi o Jambo, que mora em Cruzeiro do Sul, com o meu amigo Jefferson. É um rottweiller, com aquela cara de mau, grandão, forte pra burro. Eu olhava assim pra ele e ficavam com aquele medo: "será que ele tá bravo ou é assim mesmo?". Descobri depois, quando por dois dias fiquei cuidando dele, que ele é um doce. Quando fui embora, até beijo de despedida ganhei!

2 comentários:

Débora Almeida disse...

Viva os animais! Viva quem gosta dos animais! Viva quem ama os rottweillers!! Viva!!

Juliet disse...

Gente, olha o Thiago ali! Saudades!